Conheça a história do influenciador digital Digão Bagaça, veterano dos bailes funk

Sempre ao lado dos maiores nomes da cena do funk, Digão Bagaça é um nome muito conhecido em toda a baixada santista e nos principais pólos culturais do país, como Rio de Janeiro e São Paulo, cidades que exportaram o funk brasileiro para todo o país e para o mundo.

Hoje atuando como digital influencer, Digão relata como tudo começou: “Comecei a me envolver com eventos em 1998. Eu trabalhava contratando artistas consagrados do momento, organizando shows e promovendo eventos, e isso me tornou bastante conhecido. De lá pra cá já são 20 anos de trajetória, e a gente vem sempre se reinventando. Hoje eu invisto bastante na minha carreira como influenciador digital, e trabalho a minha imagem associada a marcas e parcerias”.

Digão e MC Guimê – Foto: Reprodução / Instagram

Organizador de alguns dos principais baile funk de São Paulo, Digão também é eclético e organiza shows de pagode e festas: “Estamos sempre inovando. Uma das inovações foi a ‘Festa do Vai tomar no fusca’ onde no final eu sorteava um fusca cheio de cerveja”.

Hoje com a crise financeira que se instalou no país, os eventos de entretenimento tem registrado cada vez menos público, obrigando os produtores a mudar o formato dos shows e optar por orçamentos mais reduzidos. Digão acredita que essa pode ser uma solução para momentos de crise: “Hoje em dia eventos menores e de baixo custo tem sido a solução para muitos produtores. Eventos grandes tem lucratividade baixa, porque as pessoas não tem condições de pagar caro em ingressos e consumo, em sua maioria. Já eventos de orçamento menor, basta coloca um bom DJ e um MC e já vira. No entanto, o segredo mesmo é sempre fazer uma boa divulgação, fazendo planfletagens, carros de som, e chamadas nas rádios. Tem que investir para ganhar, e quando o show é bom o público vai”.

Digão e MC Zaac – Foto: Reprodução

Para as novas gerações de produtores e artistas do funk, Digão tem um conselho: “Jamais desistir, porque no Brasil a música é uma área difícil de começar pois quase ninguém dá oportunidade, demora um pouco para fazer seu nome. Eu comecei em 1998, mas valeu a pena cada segundo, cada dia até chegar ao dia de hoje. Quando você consegue conquistar o seu espaço, aonde você fizer algo com seu nome sempre seu público vai estar presente para te prestigiar. Não desistir e acreditar sempre”.

11 de abril de 2019