Investir em ouro na crise vale a pena? Empresário Lucas Cohen responde

RIO DE JANEIRO, 25 de Fevereiro de 2019 — O Ouro sempre foi considerado o melhor dos investimentos, pois é um recurso mineral que a cada dia torna-se mais raro, já que é um metal precioso e que tem larga exploração comercial. As chamadas jazidas e minas de ouro são considerados recursos não renováveis, o que eleva o seu preço no mercado ano após ano. Considerado desde a antiguidade um dos melhores investimentos possíveis, será que agora, em plena era do bitcoin, das criptomoedas, e em meio a crise financeira mundial ainda é uma boa idéia investir em ouro?

O empresário Lucas Cohen, especialista no mercado de metais preciosos e mercado financeiro, da Quality Câmbio e Ouro, responde a esta pergunta: “apesar de todas as inovações no mercado financeiro e na forma como as moedas são negociadas, nosso carro chefe na empresa é a compra e venda do metal mais valioso da terra, que é o ouro. Compramos em geralmente o ouro associado a joias e o vendemos puro, em lingotes ou barras de 24k (ouro puro 999)”. 

No entanto, Lucas afirma que sua empresa também está atenta ao mercado e a todas as inovações: “trabalhamos desde o Câmbio de moedas estrangeiras até o Bitcoin, dentre outras moedas virtuais. Inclusive fui a primeira loja física do Rio de Janeiro a negociar moedas virtuais e criptomoedas. No entanto, apesar de todas as inovações, nosso mercado de compra e venda de ouro anda muito bem, como sempre andou”, revela.

Apesar da crise financeira que o Brasil e o mundo enfrentam, Lucas Cohen recomenda o investimento em ouro e explica os motivos: “inclusive em meio a crise pela qual o brasil esta passando, um dos únicos ativos financeiros que se valorizou foi o ouro, e com isso nossos clientes ficaram ainda mais satisfeitos, e estão agora investindo ainda mais. Hoje ja estamos atingindo um novo estagio de investimento para o glorioso metal oferendo ao mercado consórcios em ouro, ótimo investimento por sinal”. 

Sobre a disponibilidade do ouro em solo brasileiro, o empresário afirma que já não é a mesma dos tempos áureos: “O Brasil desde a época do império sempre foi um grande provedor de ouro e metais preciosos para Portugal e toda a Europa de um modo geral, e hoje ainda e retirado bastante ouro de nossas terras. Contudo, esses dias de gloria para os garimpeiros e mineradores ja estão se acabando. Além dos mineradores estarem sendo cada vez mais travados pelo governo, por conta das questões ambientais, que são importantes para evitar degradação e contaminação, também devemos ter em mente que o ouro acaba, e com isso a quantidade que permanece ainda disponível no mercado se valoriza. Por isso passamos a oferecer o consórcio de ouro, para que nossos cliente consigam comprar quantias em ouro superiores ao seus atuais orçamentos, mantendo o preço da cotação do ouro atual, o que é o mais importante”. 

Como forma também de ajudar pessoas a driblar a crise, a Quality também oferece opção para quem precisa de dinheiro: “trabalhamos de forma a ajudar também os que necessitam de dinheiro neste momento de crise. Compramos joias antigas, quebradas, moedas, relógios tudo que contiver ouro, e conseguimos negociar. Nossa agência tem conforto e segurança, que é primordial quando se tratar de ouro, e sempre estamos a frente do mercado com relação a preço principalmente pelo fato de ultimamente ter conseguido muitos investidores”, conclui. 

26 de fevereiro de 2019