Odontologia Digital: “o Futuro é agora”, afirma especialista

A Odontologia Digital é uma tendência que tem mostrado força e relevância como solução para o tratamento de pacientes. O Dr. Ronaldo Figueira, da Clínica Saúde Oral, aponta as vantagens dessa tecnologia e afirma que o Futuro já chegou, e está disponível a todos.

RIO DE JANEIRO, 26 de Fevereiro de 2019 — Muito se fala no Futuro da Medicina, em especial da Odontologia. A cada dia surgem novas soluções e tecnologias para facilitar a vida de dentistas, pacientes e outros profissionais da área, como as ferramentas virtuais e a impressão 3D, dentre outras, afim de tornar a experiência do paciente no consultório mais agradável, além de permitir obter melhores resultados finais, tanto estéticos como para a saúde oral do paciente.

No entanto, em pleno século 21 e no boom da era digital, muitas vezes podemos nos esquecer que já estamos vivenciando essa evolução de maneira intuitiva. O Dr. Ronaldo Figueira, da Clínica Saúde Oral, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, é especialista em Odontologia Digital, e afirma que, na verdade, o Futuro já chegou: “Vivemos na era digital, e nada mais natural do que nos aproveitarmos disso para simplificar a rotina de trabalho e alcançar melhores resultados”.

A Odontologia Digital é, sem dúvida, uma tendência que chegou para ficar. Hoje as soluções mais modernas já podem ser utilizadas no tratamento odontológico dos pacientes – como em um planejamento odontológico digital, por exemplo -, seja qual for o caso clínico: “os sistemas digitais não apenas facilitam o trabalho de dentistas e protéticos, mas também têm o objetivo de eliminar o desconforto dos pacientes com os métodos convencionais, assim como as diversas visitas ao consultório durante o tratamento, entre outras vantagens”.

O especialista aponta as principais vantagens e como funcionam as etapas do processo com a utilização da tecnologia digital na odontologia:

Conceito: Virtual x Real

É preciso ter em mente que trabalhar com Odontologia Digital é atuar em dois mundos distintos: o mundo real (físico) e o mundo virtual (digital). Os pacientes, que pertencem ao mundo real, precisam ser “digitalizados” para que o tratamento tenha início. Esse é o primeiro passo de um processo que pode ser dividido em 3 etapas.

Etapa 1 – Captura e digitalização das informações:

Utilizando câmeras de foto e vídeo, escâneres intra-orais 3D ou de bancada e tomografias computadorizadas são as ferramentas utilizadas para trazer o paciente para “dentro” dos softwares interdisciplinares, ou seja, o dentista faz uma moldagem virtual do paciente.

Etapa 2 – Planejamento em software

Após a captura das informações, é momento de projetar/desenhar os aparatos necessários para o tratamento. E não há nada que hoje não possa ser projetado por um software, desde restaurações, lâminas e coroas, até guias cirúrgicos e alinhadores ortodônticos. Já existem softwares específicos para todas as necessidades.

Etapa 3 – Processo de fresagem ou impressão 3D

À partir do momento que temos todos os elementos projetados pelo software, é preciso retornar ao mundo físico e transformar o projeto digital em um produto real, o que pode ser feito através de duas tecnologias diferentes. A fresagem é uma forma subtrativa em que o profissional escolhe um bloco maciço de material (ex.: cerâmica, resina, zircônia etc.) que será colocado na fresadora e reduzido até que reste só o elemento projetado. A impressão 3D é uma forma aditiva, em que o produto é criado sobre um modelo de polímero.
 
Para se ter uma ideia, estes sistemas geram restaurações totalmente anatômicas em um único dente para inlays, onlays, coroas ou facetas, com precisão clínica e em cerca de 11 minutos; as imagens 3D são precisas e em cor natural.

26 de fevereiro de 2019