Segmento canábico se apresenta como boa oportunidade para investidores

Após aprovação de Projeto de Lei, com R$100 pode ser o suficiente para aplicar neste mercado.

Com a recente movimentação da legislação, o mercado canábico está se tornando uma possibilidade agradável para a entrada de novos investidores. Na onda da definição de um marco regulatório no Brasil, que regulamenta o cultivo para fins medicinais e a comercialização de medicamentos à base de cannabis, o mercado de ativos começa a chamar a atenção.

Na legislação, a Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei (PL) 399/15, que consiste na viabilização da comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta Cannabis sativa em sua formulação. Com essa movimentação, fundos de investimento nesse mercado, administrado pela corretora Vitreo, já somam mais de 12,3 mil investidores voltados para o público em geral, que podem ingressar nesse mercado com a aplicação de R$100 e fazer parte deste segmento.

Para empreendedores do setor, como Bruno Magliari, CSO da Seeding, empresa que atua para facilitar acesso a esses produtos, a abertura de capital para esse mercado além de impactar positivamente no setor, também quebra estereótipos e aproxima pessoas a olhar a Cannabis com o benefício que ela proporciona a saúde de seus pacientes.

“Essa abertura de investimentos é uma posição importante, pois abre a liberdade das pessoas poderem investir no mercado, tanto no Brasil, quanto no exterior e, também, quebra o tabu que é imposto quando esse tema é proposto em pauta”, aponta.

Para Bruno, o Projeto de Lei é o primeiro passo para que seja entendido o funcionamento do setor, porém, o assunto precisa ser mais debatido como sociedade. “A PL 399/15 é um avanço importante, e pode ser ainda mais bem visto caso seja tratado como uma pauta de avanço da nossa sociedade, pois facilita o acesso aos produtos medicinais para os pacientes que necessitam e, também, pode trazer diversos benefícios ao país, como geração de emprego, renda e movimentação do mercado”, completa.

29 de julho de 2021